AGQ Brasil | O que é e como elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)
AGQ Brasil, consultoria, treinamento, auditoria interna em sistemas de gestão como ISO 9001, ISO 14001, ISO 45001, ISO 17025, ISO 37301, ISO 27001, Regimento SiAC do PBQP-H, dentre outros.
Consultoria ISO 9001, Consultoria ISO 14001, Consultoria ISO 45001, Consultoria ISO 37301, Consultoria ISO 17025, Consultoria PBQP-H, Consultoria SiAC, Anexo VII do SiAC, Anexo 7 do SiAC, Auditoria Interna, SGI, SGQ, Auditoria ISO 9001, Auditoria ISO 14001, Auditoria ISO 45001, Auditoria ISO 37301, Auditoria ISO 17025, Auditoria PBQP-H, Auditoria SiAC, Consultoria ISO, Auditoria ISO, Consultoria ISO BH, Consultoria ISO 9001 BH, Consultoria ISO 14001 BH, Consultoria ISO 45001 BH, Consultoria SiAC PBQP-H BH, Consultoria ISO 37301 BH, Consultoria ISO 17025 BH, Belo Horizonte, Consultoria ISO SP, Consultoria ISO 9001 SP, Consultoria ISO 14001 SP, Consultoria ISO 45001 SP, Consultoria SiAC PBQP-H SP, Consultoria ISO 37301 SP, Consultoria ISO 17025 SP, SP, São Paulo, Consultoria ISO RJ, Consultoria ISO 9001 RJ, Consultoria ISO 14001 RJ, Consultoria ISO 45001 RJ, Consultoria SiAC PBQP-H RJ, Consultoria ISO 37301 RJ, Consultoria ISO 17025 RJ, Rio de Janeiro, RJ
3733
post-template-default,single,single-post,postid-3733,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-18920
 

O que é e como elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)

O que é e como elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS)

Conheça as principais etapas no desenvolvimento e na implementação de um PGRS para sua organização.

 

A Lei 12.305, promulgada em agosto de 2010, instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, determinando todas as diretrizes, objetivos e instrumentos ligados à gestão adequada de resíduos de categoria sólida. Em outras palavras, a Lei estabeleceu padrões para que organizações do setor público e privado lidem de forma adequada com o lixo produzido em suas respectivas operações empresariais.

 

Diante da obrigatoriedade de gerenciar resíduos e de comprovar as capacidades técnica e operacional de fazê-lo, as empresas devem elaborar e implementar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos – PGRS, que é o tema de nosso artigo da semana.

 

Origem e periculosidade dos resíduos sólidos 

 

Antes de abordar o PGRS, propriamente dito, é necessário conhecer e compreender o que a Lei 12.305 estabelece em relação à origem e níveis de periculosidade dos resíduos gerados em operações empresariais.

 

No que diz respeito à origem, conforme artigo 13, parágrafo I da lei supracitada, os resíduos sólidos são classificados em:

 

a) resíduos domiciliares: os originários de atividades domésticas em residências urbanas;
b) resíduos de limpeza urbana: os originários da varrição, limpeza de logradouros e vias públicas e outros serviços de limpeza urbana;
c) resíduos sólidos urbanos: os englobados nas alíneas “a” e “b”;
d) resíduos de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços: os gerados nessas atividades, excetuados os referidos nas alíneas “b”, “e”, “g”, “h” e “j”;
e) resíduos dos serviços públicos de saneamento básico: os gerados nessas atividades, excetuados os referidos na alínea “c”;
f) resíduos industriais: os gerados nos processos produtivos e instalações industriais;
g) resíduos de serviços de saúde: os gerados nos serviços de saúde, conforme definido em regulamento ou em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS;
h) resíduos da construção civil: os gerados nas construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, incluídos os resultantes da preparação e escavação de terrenos para obras civis;
i) resíduos agrossilvopastoris: os gerados nas atividades agropecuárias e silviculturais, incluídos os relacionados a insumos utilizados nessas atividades;
j) resíduos de serviços de transportes: os originários de portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários e ferroviários e passagens de fronteira;
k) resíduos de mineração: os gerados na atividade de pesquisa, extração ou beneficiamento de minérios;

 

 

Ainda no artigo 13, parágrafo II, a Lei define os critérios de periculosidade dos resíduos:

 

a) resíduos perigosos: aqueles que, em razão de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, patogenicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e mutagenicidade, apresentam significativo risco à saúde pública ou à qualidade ambiental, de acordo com lei, regulamento ou norma técnica;
b) resíduos não perigosos: aqueles não enquadrados na alínea “a”.

 

Portanto, de forma resumida, os resíduos sólidos podem ser enquadrados como perigosos ou não perigosos, e sua origem abrange desde o lixo doméstico até rejeitos de mineração e lixo hospitalar, por exemplo. As diretrizes não se aplicam a resíduos radioativos pois estes possuem regulamentação específica. O conteúdo da Lei 12.305 pode ser lido na íntegra aqui.

 

 

Desenvolvimento e implementação de um PGRS 

 

Além de atender todas as disposições da Lei federal já citada e de regulamentação específica por segmento, a empresa que inicia a elaboração de um PGRS também deve se atentar às legislações estaduais e municipais, que podem conter orientações relacionadas à região ou à atividade fim da organização.

 

Este cuidado é fundamental, visto que o descumprimento pode acarretar sanções administrativas, inclusive multas de até R$ 5 milhões; e sanções penais de 1 a 4 anos de prisão acrescidos de multa, de acordo com a gravidade da infração. Ou seja, sempre conte com o suporte de especialistas na realização deste processo, que pode ser organizado nas etapas a seguir:

 

  • Identificação do empreendimento e descrição de suas atividades;
  • Diagnóstico dos resíduos gerados pela organização, incluindo detalhes de característica, volume, origem etc.;
  • Definição de responsáveis pelas etapas e procedimentos relacionados ao gerenciamento dos resíduos descritos.;
  • Mapeamento de soluções coletivas, compartilhadas com outras fontes de resíduos semelhantes;
  • Listagem de ações para prevenção e correção planejadas e testadas para situações de crise, seja de gestão inadequada ou acidentes;
  • Definição de metas para redução dos resíduos gerados e/ou para reciclagem e reutilização sempre que possível;
  • Acompanhamento do ciclo de vida dos produtos com o objetivo de monitorar o fluxo de resíduos;
  • Comprovar medidas saneadoras e informar a frequência da revisão do PGRS aos órgãos competentes.

 

Se sua empresa precisa lidar com gerenciamento de resíduos e necessita de suporte especializado para elaborar e implementar soluções, conte conosco. Com metodologia testada e comprovada em mais de 700 clientes e quase 20 anos de trabalho, certamente poderemos encontrar as melhores soluções em conjunto. Entre em contato!

 

#SistemadeGestãodaqualidade #Gestão #gestãodaqualidade #legislaçõestaduais #legislaçõesmunicipais #lei12.305 #PGRS